A jornada é o destino

É preciso avançar lenta e progressivamente no que diz respeito às grandes conquistas. Ter um objetivo nobre e ambicioso é fundamental para nortear a ação, porém também é necessária a compreensão de que nada realmente bom, no que diz respeito à destacar-se, vem fácil. Um atleta precisa de treino para que possa competir globalmente, um empreendedor precisa construir e executar a ideia que lhe trará lucro, um belo corpo precisa de uma dieta e de exercícios físicos e, todos estes, precisam de tempo e persistência.

Para isso, o objetivo deve estar sempre presente, de forma moderada, ao ponto que não haja ansiedade e nem pretensão de colher frutos maduros sem que tenha havido o tempo de maturação. Porém também, é útil ter os olhos no futuro, para que possamos tomar as ações que nos aproximem do idealizado, mas sabendo que, na realidade, a vida acontece no presente e é nele onde é construída a base para se alcançar o alvo.

Estar presente e, principalmente, gostar do seu presente é de grande importância, pois é nele que você permanecerá durante todo o caminho. Isto deve estar claro, já que o caminho é longo e acompanhado de adversidades, que virão em maior número do que gostaríamos, mas também de pequenas e grandes conquistas, que devem ser sempre desfrutadas e valorizadas.

O diferencial está em como lidamos com a parte negativa, os fracassos, pois saiba, eles são inevitáveis. Podemos deixar com que nos consumam, abalem nossa motivação e levem a desistência e ao conformismo ou podemos considerá-los parte do caminho, ou até mais, considerá-los necessários e vê-los como ferramentas para formar nosso eu almejado.

A conquista é vista, a princípio, quando a observamos no outro e não em nós, como algo iminente, de ganho fácil e circunstancial ou como resultado de um esforço sobre humano, além da nossa capacidade. Ambos, na maioria dos casos, são interpretações equivocadas já que a maestria em algo é resultado de uma persistência constante, moderada e prolongada. Constante pois é necessário permanecer no rumo mesmo enfrentando a adversidade, moderada pois quando o esforço é em demasia ele tende a esgotar as forças e gerar desistência e prolongada pois é necessário tempo.

Devemos então gerenciar nossas expectativas, ter a paciência para crescer progressivamente e, principalmente, tornar o presente interessante, já que a jornada é o próprio destino. Só assim conseguiremos sustentar as mudanças necessárias, sendo que, atacar os desafios, um por vez, de forma constante e vagarosa é o que diferencia a pessoa que começa algo e nunca termina daquela que realmente concretiza seus objetivos.

Cientista da computação, praticante da filosofia estóica e entusiasta no estudo do bem-estar humano e da autorrealização.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *